18 de abril de 2014

Threads of Fate


Threads of Fate é um jogo injustamente desconhecido... Mas muito mesmo.

Squaresoft teve sua época de ouro em jogos como Chrono Cross, Legend of Mana ou Xenogears. E são jogos mais do que merecidos de suas devidas famas.

Tá certo que Chrono Cross merecia uma continuação (que foi cancelada, puta que pariu) ou principlmente um jogo da série Mana que lembrasse o Legend.

E não vou citar Final Fantasy, afinal de contas, é um RPG meio que pra "começar" a jogar o gênero, se procurar vai ver coisa melhor por aí, o que nem de longe é remotamente difícil de se encontrar.

Mas... A Square prefere ficar focando em Final Fantasy mesmo em tempos atuais, são mais superficiais, atingem todo mundo... Muito mais lucrativo, nem dá pra culpa-la por agir dessa forma.

 Bom, foda-se. O foco agora é Threads of Fate.

Esse é um jogo que como eu disse, merecia não só uma continuação como toda uma franquia. Por que?

Primeiramente, vou falar como conheci esse jogo.

Um amigo não sei porque trocou um jogo dele de PS1 por outro do mesmo console com um amigo dele, ironicamente na capa estava a estampa do Dragon Ball Z: Ultimate Battle 22.

Sim sim, aquele lixo supremo em forma de jogo. Blergh!

Mas quando o cara foi jogar... Bingo! Era Threads of Fate.

Mint quando se encontra com Mel, cena incrivelmente engraçada.

Anos e anos atrás, eu joguei e joguei mas não sabia inglês e nunca o terminava, ele me atraía mas não o bastante, e conversando o meu amigo postador esporádico aqui, o Dipaula, ele me perguntou se eu conhecia, e eu disse que sim.

Fiquei chocado quando ele me disse que o jogo era digno de um RPG, com profundidade, história boa e não maniqueísta e ainda de quebra com tudo aquilo de foda que o jogo poderia me oferecer. E como eu imagino que 90% de vocês que estão lendo não conhecem esse jogo, vou dizer tudo de fora que ele tem.

Basicamente, a grosso modo é um jogo de Aventura com elementos de Dungeon Crawler, Plataforma e Beat'em Up.Mas no geral, eu diria que é um jogo de aventura e provavelmente o melhor que eu joguei e eu duvido muito que qualquer Zelda seja melhor do que ele por UM motivo.

SUA HISTÓRIA!

ELA É SIMPLESMENTE FANTÁSTICA!!!!!


O conceito base é simples...

Existem pessoas com poderes inacreditavelmente gigantes, os Aeons, eles criaram relíquias pra aumentar seus poderes ou mesmo colocar tudo deles ali, por motivos diferentes cada um criava a sua. Mas apesar de tudo, os Aeons, apesar de extremamente poderosos e dignos dos poderes de uma entidade viva, eles ainda eram mortais.

Tais pessoas buscavam de alguma forma burlar as leis da natureza pra que assim pudesse viver eternamente, pra não se sentirem como se tivesse buscando poder à todo tempo de forma inútil, afinal de contas, era limitado devido à sua existência crucialmente humana.

Com isso, temos um cenário inicial pra um EXCELENTE mundo de fantasia. Onde tudo aqui é muito bem usado. Principalmente com os personagens. Vou apresenta-los em duplas e tudo porque... Porque eu quero. Ora pombas, por qual motivo seria?

Rue e Mint


Mint é uma garota bem incomum, vamos assim dizer... Ela é mimada, birrenta, azarada, traiçoeira, mesquinha, egoísta, sacana, oportunista, comilona, maluca, mal-humorada, estressada, irresponsável e uma excelente atriz.

Sim, atriz. Mas é difícil explicar sem dar spoilers, quando jogar irão entender.

Mint seria a nova rainha mas devido à seu caráter no mínimo questionável ela acabou perdendo o direito e foi passado pra Maya, sua irmã mais nova. Que além de tudo é super poderosa devido ao Book of Cosmos que ela tem.

Além do mais, Mint busca tudo isso num objetivo de conquistar o mundo, mostrando à todos sua superioridade, uma superioridade que só ela enxerga com toda sua visão maluca. Mas apesar de tudo Mint tem um bom coração e meio que não sabe disso, e amadurece muito com o decorrer da história.

Rue por outro lado, é um garoto triste, melancólico, que despertou de um lugar estranho, do nada, sem saber direito suas origens e passa a sair vagando por aí sem entender direito o que acontece.

Depois de tudo, é encontrado por Claire, do qual nutre um sentimento meio que de irmão porque essa cuida dele, o ajuda e sua vida passa a ser ligada junto à dela até que repentinamente ele e ela são atacados por um ser de garra gigante que mata ela e sem entender muito bem o porque, Rue, que não é humano, acaba por sem querer deixando Claire presa dentro cristal que possui em sua testa.

Enquanto a história de Mint é totalmente mais leve e descompromissada, a de Rue é cheia de lutas, dramas e questões maiores envolvidas, tais como vontade, maniqueísmo ou mesmo o fato de Rue pouco se importar pro que pode acontecer com o mundo se ele simplesmente puder salvar sua amada irmã de consideração.

Klaus e Mira


Klaus é o cara que ajudamos no começo do jogo, e com isso podemos ficar na cidade de Corona durante a aventura por conta dele. Afinal de contas, salvamos sua filha de dois babacas...

Com isso, Klaus vai ajudando de pouco a pouco a desenvolver a história de modo que boa parte da importância do desenvolvimento e as coisas que precisamos são devido aos estudos dele. Ele pode ler manuscritos absurdamente antigos e tem uma inteligência e raciocínio fora do comum.

Suas habilidades em combate nem de longe são as melhores, é quase como se ele não as tivesse, e tudo ainda se agrava por seus problemas nas pernas, isso o impede de ir diretamente com Rue ou Mint nas aventuras mas ele cumpre seu papel muito bem como pesquisador do grupo.

Mira por sinal é a esposa dele, ela gosta dele do jeito que ele é, apesar de considerar um abuso as horas que Klaus trabalha, Mira é uma excelente cozinheira e parece uma mulher totalmente comum, até quando são necessárias suas habilidades.

Não vou contar o que acontece, quando jogarem ficarão totalmente surpresos, quem jogou sabe EXATAMENTE do que me refiro e o choque foi muito grande, ao menos pra mim.

Elena e Rod


Elena é sem dúvidas a coisa mais engraçada presente no jogo. O começo nos faz pensar que Mint é mais engraçada, mas o fato é que Mint aparece mais e isso faz com que a gente pense isso, mas Elena não, quando ela aparece, ela simplesmente tira o fôlego da gente de tanto rir.

Existem duas situações das quais me fizeram chorar mas chorar MESMO de tanto rir. Uma delas é bom nem falar, só digo o seguinte... Jogando com Mint, quando enfrentar a "estrela", não vença a luta e deixe a cena rolar. É constrangedor mas absurdamente engraçado e uma das cenas que veremos o lado teatral de Mint.

A outra é com Rue, no qual ela fala com um tom de que vai se declarar e...

Não. Não vou contar. Melhor vocês verem. É totalmente improvável o diálogo dela nessa situação.

Elena também faz outras coisas absurdas e entende tudo da maneira mais idiota possível, como no final de Mint a cena dela e ela explicando sobre "seu novo irmão".

Ela funciona como alívio cômico e é nada mais que a desconsertante mistura da inocência com a burrice. Absurdamente hilária.


Rod é outro, totalmente retardado e engraçado, acredita em coisas como "a força do coração" e tem um cachorro chamado Johnny Wolf.

Ele é totalmente hilário por ser aquela coisa totalmente... eeerrr.... ÚNICA. Mas unicamente retardada assim digamos. E nem por isso menos engraçado.

Ele usa armas malucas, bate de forma maluca (apesar de ser excelente em combate), tem poesias e falas malucas mas no fundo é um viajante, pé rapado, morto de fome e que tem uma nave a qual chama carinhosamente de Pulsar Inferto Typhoon Omega.

Essa nave gera piadas super sinistras durante o jogo, tais como suas falas, mas por trás de tudo isso Rod é simplesmente um cara satisfeito com a vida que leva, ele não se culpa ou briga com ninguém por isso.

Dentro do jogo, Rod aparece mais na campanha de Mint e meio que ensina nas duas à como viver e se aceitar, mas nada disso é dito, as cenas em si que "falam" por ele, deixando claro sua profundidade nas entrelinhas que o jogo mostra. Assim como a inocência/ingenuidade de Elena.

Belle e Duke


Duke e Belle são duas figuraças do jogo! Simplesmente a mistura do sério com o cômico!

Ambos tem funções de serem rivais dos protagonistas. Sendo Belle a rival de Mint e Duke o rival de Rue!

Belle e Mint tem uma rivalidade que vem de antes do jogo começar, 1 ano antes exatamente. Ela é uma maga de 30 anos muito poderosa e páreo duro pra Mint, e sempre tendo piadas envolvendo sua idade. Mas ela não é uma má pessoa, somente busca por poder mas não tem coragem o suficiente pra passar por cima de necessidades maiores. Porém não admite isso de forma alguma, ela mantém a pose de vilã o tempo inteiro. Sem JAMAIS ceder.

Duke por outro lado, é um outro cara que tem a mesma função dela, porém de forma diferente e com Rue. Ele tem poderes dos mais criativos que eu já vi, ele pode ter o poder daquilo que leu recentemente. Não se sabe bem como a mente dele funciona, mas o fato é que depois de perder pra Rue duas vezes ele se auto nomeia como seu eterno rival. Algo como Ryu e Ken mesmo. Diferente de Belle e Mint, os dois admitem uma certa amizade.

Doll Master e Maya


Maya e Doll Master são os dois "vilões" do jogo.

Mas notem que eu usei aspas, na verdade eles tem excelentes motivações pra fazer tudo que fazem, sendo que como o Dipaula mesmo já mostrou, eles são o que definimos como antagonistas, ou sejam, aqueles vilões com uma razão realmente boa o bastante pra fazer tudo que fazem.

Maya carrega consigo uma enorme responsabilidade, da qual Mint não é nem remotamente qualificada pra cumprir, mas só descobrimos isso a longo prazo, e o fato dela ter sido expulsa não é uma inveja gratuita ou coisa do tipo, há uma real razão boa o bastante.

Assim como Doll Master, esse por sinal é o vilão "maior", porém na perspectiva de Mint nem tanto assim, afinal o foco dela é em sua irmã, mas na de Rue ele faz toda a diferença.

Doll Master é um dos bonecos de Valen, que despertou 100 anos atrás, porém ele é um modelo falho e sua única missão e lembranças estavam absolutamente intactos, diante disso e da sua pedra do poder (em sua testa) totalmente sem poderes ele se viu desesperado, sozinho... Mas depois ao invés de se entregar ao desespero ou espera uma ajuda seja ela qual for, ele buscou por poder e se tornou um arquimago extremamente poderosos (sim, extremamente MESMO) que tem poder o bastante pra peitar um Aeon de frente.

Doll Master vai além na arte de roubar a cena por conta de seus 3 subordinados: Trap Master, Mode Master e Psycho Master.


Os 3 diferentes da maioria que vemos nos jogos, não o seguem por ele ser mais forte ou simplesmente por dinheiro/recompensa. Eles ACREDITAM no Doll Master. Não fica totalmente claro, mas o jogo explica nas entrelinhas de forma que entendemos que eles sempre foram inacreditavelmente fortes, mas suas vidas perderam seus respectivos sentidos e objetivos, com isso Doll Master apareceu provando à eles que suas forças poderiam servir à algo maior e recompensador. Ele não é simplesmente MAU e sim visa seus interesses de forma que ele é extremamente generoso com seus aliados.

Tanto é, que todos eles o respeitam de forma a fazer tudo que lhes for possível pros objetivos de seu mestre. Não por recompensas, não por obrigação e sim por total admiração tanto pelas suas motivações, quanto pela sua força de vontade.

Eu aqui deveria ter falado sobre 2 mas falei de 5 por tabela... Mas foda-se, meu blog, minhas regras. A galera já ta familiarizada mesmo.

-----------------------------------------------------

Bom, o gameplay do jogo apesar de tudo nem de longe é lááá dos melhores, mas não é dos piores. Ele é absolutamente competente e cumpre bem seu papel apesar de uns bugs aqui e ali.

Tais como de pulos em determinadas situações que falham e me tiraram do sério, além de com Rue o botão forte no ar só poder ser usado no chão, logo se eu pulo e aperto esse botão, ele vai cair no chão primeiro e depois executar o comando, podendo assim irritar e de quebra tem slowdowns mas são raros, esses eu vi em POUQUÍSSIMAS vezes mesmo. Tão raros mas infelizmente existentes. Sorte que nada disso atrapalha o jogo.


O jogo além de tudo é curto, uma cerca de 20 horas de duração, sendo 10 pra cada campanha porééééém... Existe uma grande graça por trás disso tudo!

Os dois jogos são basicamente equilibrados num aspecto que seria, com Rue o jogo é MUITO mais fácil, e compensa isso com uma história absolutamente triste, dramática e totalmente cativante pela sua seriedade, e ele tem poderes de se transformar nos inimigos que tem contato, com isso vários elementos de dungeon crawler são mais presentes na sua campanha.

Com Mint, o jogo é MUITO mais difícil, usar magias com ela é realmente algo complicado em determinadas situações, sem falar que seus jogos tem mais elementos de plataforma mesmo que pouca coisa à mais, mas sua dificuldade de campanha é totalmente quebrada pelo bom humor do jogo em sua campanha, além das maluquices dela, suas trapaças e motivações bizarras.

Isso funcionou como um puta equilíbrio pro game, tornando ele mais dinâmico e altamente satisfatório por vários motivos e entre eles as músicas excentes do jogo que honestamente podem ser facilmente incluídas entre as melhores do PlayStation 1 sem a menor dificuldade.


Além do mais, as cenas do jogo não são de Hideo Kojima mas porra, algumas chegam perto disso. Os ângulos de câmera, as situações, as coisas em cutscenes acontecem de forma natural, bem bolada e totalmente cativante, de forma que fica muito instigante com aquela sensação de "o que vai acontecer agora?" a todo tempo.

Só fico profundamente triste porque o jogo depois de zerado com ambos (e usem um mesmo save, vão por mim) mostra um epílogo que completa o final do jogo, deixando claro que o jogo teria um inacreditavel gancho pra continuação mas simplesmente não vai acontecer....


Provavelmente devido ao baixo sucesso do game, afinal de contas jogos assim infelizmente não costumam atingir todo mundo, seja pelo visual infantil pela falta de um grande nome. O que me irrita é que a Square poderia muito bem sustentar o retorno de um incrível jogo desses mas prefere a todo instante investir em coisas como Final Fantasy que há tempos vive em declínio de qualidade (não que já tivesse começado muito bem né...) ou então patrocinando outros jogos.

Olhem  bem pra esse jogo, ele merece MUITO destaque, ele tem MUITA qualidade seja nos detalhes, nas músicas ou principalmente em sua historia e eu nem falei tudo que poderia e nem citei determinados personagens que só aparecem no meio da aventura pra não comprometer a surpresa do jogador, mas vejam isso! É muita coisa foda num jogo só, ele ainda de quebra tem uma profundidade como eu disse, nas entrelinhas, que muitos jogos grandiosos que são aclamados nem sequer costumam ter. Fico realmente irritado com essa injustiça...

Mas infelizmente, não tem mais jeito, ao que parece Threads of Fate nunca terá a merecida franquia ou muito menos uma continuação. O máximo que você pode é baixar esse jogo desconhecido (ou comprar na PSN) e experimenta-lo. E principalmente ir com calma, apreciar cada detalhe e ver que no fundo, ele poderia ser um grande RPG ou mesmo uma franquia, porque enredo é o que ele mais tem, sem dúvidas o seu ponto forte.

Um comentário:

kelven aguiar disse...

Cara eu achava q era o unico que jogou esse jogo! EU joguei ele por muito muito tempo mesmo mas eu era criança e meio bobinho não lembro de nada e não sei a historia por que não sabia inglês '-'
meu face:
https://www.facebook.com/kelven.aguiardasilva