28 de janeiro de 2015

Cold Fear - Terror em Alto Mar... Não, Pera!


Vamos por partes, o que acontece quando você tem a responsabilidade de executar uma das melhores ideias de um jogo de survival horror?

Naturalmente, o ideal seria você sustentar essa ideia a ponto de que ela convença. Certo?

Mas.... Não. Não foi isso que aconteceu. Tempos atrás eu via esse jogo, geral falava bem, pagavam muito pau e eu ficava na vontade e etc, mas eventualmente a minha memória que é uma merda (menos fedida que FF XIII, por sinal) esqueceu dele por completo e do nada tive a chance de ver um vídeo do Zangado sobre.

Poxa, fiquei super empolgado. Parecia incrível. Mas.... Não! De novo: Não!

Cold Fear é dos jogos mais meh que já tive contato e aqui vai um belo post pra dizer os motivos disso. No final eu explico o que levou o jogo a ser uma coisa mediana.

Começando pela "história".

Sim, com aspas e nesse caso conhecida como "desculpa ruim pra possível situação de horror". Seu personagem é Tom Hansen, um nada carismático agente de um grupo ultra foda que resolve os perigos do mar. E um navio enviou sinais de que precisava de ajuda e ele por estar próximo foi designado pra tal missão. Esse jogo nesse ponto já começa com dois clichês, o primeiro por ser navio russo DO MAL e quem chega pra ajudar é um americano loiro DO BEM. Começou mal. Eu sei.

Mas aí você pensa: "Ah, tudo pode acontecer e o jogo vai melhorar."

Eu também pensei isso e... Não. Um monte de textos em documentos e alguns diálogos aqui e ali pra explicar que existe uma forma de vida parasita que entra no corpo das pessoas e com isso elas possuídas e se transformam nisso:


Isso pode ter o nome que quiser, é um zumbi 2.0 e puts, já começou o jogo com a parte mais banal da história do terror, os mortos vivos ou pessoas possuídas que se tornam mortos vivos ou qualquer derivação similar.

E num adiantou eu ficar feliz imaginando que seriam melhores os próximos porque não eram, só eram monstros que são deformidades biológicas que NUNCA vão assustar qualquer pessoa com mais de 10 anos e 4 neurônios. Chega a ser bocó, e muito. Exceto pelo chefe final que não é tão tosco assim e é levemente acima da média.

Continuando a história, esse navio encontrou um parasita numa plataforma de petróleo e um cientista ficou fascinado por eles, com isso, ele os estudou e fez experimentos com animais até ter coragem de fazer com humanos e simplesmente depois nele mesmo. Ele tinha dois objetivos.

Usar o exocell em corpos mortos já que o parasita tinha poder de reanimar cadáveres e usar pra alcançar a imortalidade ou pelo menos prolongar sua vida.

Cena chocante

Se você conhece e gosta do gênero, peço encarecidamente que pare de gargalhar. Vai acordar os vizinhos.

Porra. Eu disse pra parar. Que gente sacana, nunca me ouvem.

Prosseguindo, as mecânicas poderiam ser pouco melhores, mas funcionam bem, diferente das músicas que tem situações com bons temas e outras com músicas mais genéricas impossíveis.

Quer um exemplo? Essa aqui por exemplo dá um certo nível de desconforto e dá pra pegar a ideia.

Em contrapartida essa aqui... Ou seja, não é ruim mas é genééééééérica....

Mas nem tudo são o mar de merda que parece ser. A parte do navio é incrível, a física é perfeita, o navio balança, as ondas batem, é muito foda e é definitivamente a ÚNICA coisa levemente desconfortável de todo o jogo. Porque esse balanço acaba por influenciar no combate e na mira e é bem bacana essa coisa de ter que se virar desse jeito.

Só que é metade do jogo isso, somente metade dos eventos são no navio, depois vamos pras docas e tudo fica comum de novo. Mais do que já era. Principalmente levando em conta as partes do jogo (que são muitas) onde devemos avançar limpando a área, matando geral mesmo. Ou então o trecho que precisamos do olho de um cara e simplesmente vamos lá e matamos ele pra arrancar o "zói" dele fora.



Meu deus, estou super assustado com o fator "genérico" do jogo e não com o jogo em si.

E o jogo ainda tem uma falha bem amadora. A falta de um mapa!

Sim, um survival horror sem mapa. Acontece que pro jogo desse tipo NÃO ter um mapa, o ideal é que os locais que acessamos fossem no mínimo pequenos e intuitivos, de fácil acesso. Mas não é. O navio é um labirinto, as docas então... Nem se fala. Não há nenhum tipo de intuitividade então é muito fácil se perder no navio e não saber pra onde ir. A maioria dos jogos faria da forma oposta, te diria onde ir e daria um mapa, aqui te dizem o que fazer mas não como chegar lá, e como o jogo só salva em determinados pontos de história que avançamos, acaba por aumentar a dificuldade da maneira mais artificial possível.

Sem falar que no vídeo do Zangado mesmo ele dizia que a munição era escassa e etc, e eu vi MUUUUUITA gente falando isso, que era super difícil por conta disso mas não. Não é mesmo. Primeiro de tudo, você tem muita arma, e segunda delas é uma AK-47 e ainda pegamos lança-granadas, lança-chamas, lança-arpão e também "lança-atendentes de telemarketing". Ou seja, tem muita arma, e cada uma delas você só pode andar com o limite máximo de balas dela por não ter lugar pra carregar possíveis balas reservas.

E seu life também é pequeno, as porradas tiram muito e tudo mas... MAS.... O que acontece quando você mata o zumbi e aperta o botão "interactive" no corpo dele? Você acha balas, e muitas. Ou curativos.

Curativos no corpo de um zumbi não me parece fazer bem pra pele.

Ainda por cima, se o inimigo te agarrar, vai aparecer uma barra de ação da qual Tom simplesmente vai lá, bota o monstrengo no chão, bota o pé no peite dele e BOOM! ATIRA NA CARA DELE.


Quer mais?


É super assustador, e não tem o menor desafio em se debater com a porra do monstro, basta encher a barra de ação e fuzilar. E isso vale mesmo pro último chefe. Apesar da batalha ser interessante, talvez a única minimamente interessante, ela ainda tem esse preceito.

O que esse povo ainda não entendeu, é que tem de haver uma distância entre o personagem que controlamos e os monstros, pra que nós, jogadores, sejamos as vítimas. Olha pra foto acima, os monstros que são as vítimas do jogo. E ainda tenta ter cenas de terror com luzes piscando e ou apelando pra ruídos (genéricos) de monstros e etc. Sinceramente, eles falharam até na parte mais clichê e comum do gênero e na atmosfera então...

Ou seja, de difícil não tem nada e de terror menos ainda. Você morre mais tentando aprender o caminho do que nos combates, porque nunca vai te faltar nada, você acha itens espalhados com frequência e ainda os zumbis colaboram contigo. Não tem o menor aperto a não ser a falta de um mapa.

É tanta forçação de barra, que a minha reação mais comum era rir ou fazer isso:


Sim, facepalm. Porque a vergonha alheia tava grande.

Por mais que seja um jogo consideravelmente bonito pra época, ele não sai muito do padrão de survival horror sendo um jogo com uma ideia incrível porém altamente genérico. Os controles até funcionam legal mas ele não tem muito charme e o motivo disso como eu disse acima que revelaria aqui é um só: ele tenta imitar Resident Evil. E justo o 4.

Não, eu não odeio ele como os fãs de velha guarda da franquia, a verdade é que RE4 é um primeiro passo pra ação e foi sucesso de vendas, e Cold Fear tava sendo feito como um jogo padrão do gênero survival horror mas acabou tentando copiar algumas ideias pra ver se embarcava mesmo que de leve no sucesso dele mas acabou ofuscado justamente por isso.

Copiaram o protagonista loiro de um grupo fodão sendo que ele seria um tripulante simples de cabelos marrons, copiaram o parasita (e isso é uma ideia ruim), a parte de salvar uma garota, sair matando geral e etc, eles interpretaram mesmo as ideias do RE4 como aplicáveis à um jogo de terror e simplesmente falharam com toda a miséria possível.

Com isso, Cold Fear é mais um dos jogos medianos (não disse ruim, eu disse mediano) que poderia ser incrível, e acabou justamente morrendo na praia por copiar um jogo à ponto de perder a identidade de uma ideia brilhante inicialmente. Pra vocês terem, a Darkworks, até mesmo copiou a famosa fuga de helicóptero. Puta merda. E aí você dá aquela lida de boa na internet e descobre que eles fizeram o Aline in the Dark IV: The New Nightmare e I Am Alive.

De repente tudo faz sentido.

2 comentários:

Leandro" Leon Belmont" Alves the devil summoner disse...

ou seja, não vale a pena jogar esse jogo. é melhor deixa-lo no esquecimento

Juninho! disse...

Só vale à pena se a pessoa gostar MUITO mesmo do gênero à ponto de não ser tão exigente.

É tipo jogar um jogo clonado de algo que você adora e ainda assim se divertir.