1 de março de 2015

Metal Gear Solid 3 - Tem Como Ser Superado?


Metal Gear Solid é realmente uma franquia incrível, depois de jogar o revolucionário primeiro jogo e terminá-lo por três vezes, jogar o Rising e me apaixonar por aquele hack'n'slash realmente ultra bem feito e jogar o 2 que todo mundo odeia sem motivos que até hoje pudessem me convencer, resolvi logo em seguida jogar o 3.

Eu nunca fui bom em jogos de Stealth, na verdade sou uma negação mesmo em Metal Gear, e só consigo apreciar porque como eu disse várias vezes, ele não é frustrante. Ele é simples na execução de forma que não se torna cansativo ou tampouco repetitivo, maçante, etc.

Quando eu conheci Metal Gear Solid, foi por esse jogo. Comprei meu PS2 destravado de um amigo meu, e nele vieram muitos jogos. Entre eles, MGS3. Me lembro de ter colocado o jogo no videogame, ter cortado todas as cutscenes e começado a jogar e... meh. Na época foi isso que eu pensei: "meh".

Depois, os anos passaram, a gente ganha uma cabeça melhor e o Dipaula, meu amigo e postador esporádico aqui desse humilde blog doentio me recomendou que jogasse o primeiro porque supostamente teria muito "da minha cara", e apesar da frustração pra aprender a jogar, eu consegui e terminei.

Depois disso, fui pro tão odiado Risigin e pro pouco menos odiado MGS2 e decidi que jogaria a franquia toda em ordem de lançamento, afinal de contas, vamos ver o que foi acrescentado pouco à pouco.



E nisso, voltei ao terceiro game da franquia, aquele que eu tive contato pela primeira vez e não gostei tanto na época. O que havia mudado em minha mente? E no jogo em si, quais eram as mudanças dos anteriores pra esse? A resposta é TUDO! Sim, tudo! Tudo mudou, pra mim, e na franquia. O que chega a ser uma ironia.

Verdade seja dita, MGS2 tem um enredo mais denso que do primeiro jogo, ele reformula tudo que você acha que sabia e joga por terra, te entrega informações totalmente novas e modifica algumas coisas e apresenta uma metalinguagem completamente diferente do padrão de jogos da época e do próprio MGS1. Com isso associado ao trailer do jogo que mostrava somente Snake, a presença de Raiden e uma complexidade fora do normal, MGS2 se tornou um dos jogos bons realmente odiados por aí.

Que por sinal é uma puta boa ideia pra um futuro post, quem sabe?

Com tudo isso, as vendas apesar de tudo cresceram muito, Metal Gear Solid tinha em mãos a possibilidade de um investimento milionário e o que Hideo Kojima projetava pra lançar em novembro de 2004. Ele fez o que muitas empresas tentam a anos e falharam, mesmo que parcialmente.

Ele fez uma prequel! Vejamos, uma PREQUEL. Mas o que temos por referência de prequel? Jogos que explicam o começo de algo mas geralmente não acrescentam em porra nenhuma pra franquia ao ponto de serem descartáveis ou medianos o suficiente pra não ligarmos uma vez que concluímos tal jogo.

Temos muitos exemplos de como prequels podem ser medianas ou ruins como Batman Arkham Origins, God of War Ascension, Gears of War Judgement, Silent Hill Origins, e por aí vai. É muito fácil fazer um prequel meia boca somente usando o nome daquela franquia que tanto amamos pra nos arrancar uma grana rápida e fácil.

Mas Metal Gear Solid 3: Snake Eater é considerado por aí a MELHOR PREQUEL DA HISTÓRIA dos games. Não é muito sem motivo, duvidam? Eu espero que não seja seu caso, mas se for, espero que jogue Metal Gear Solid e que não comece pelo 3 mas se começar também não será um problema. O motivo?

Bom, essa intro ta longa demais, vamos começar essa porra antes que você tenha um AVC porque...

...sim.

Essa parte lembra um filme de ação, só que jogável.

Saco devidamente puxado, vamos ao que interessa, MGS3 tem um enredo mais simples que os dois anteriores, e ironicamente ainda melhor. Basicamente, se você jogou o 1 e conhece Solid Snake, você sabe o que ele é, e se jogou o 2 sabe que rumo ele tomou da vida, então, o que rola é o seguinte:

No 3 conhecemos o Snake original, Naked Snake. Um soldado da CIA enviado à União Soviética durante o período da Guerra Fria (1964) pra investigar o que diabos aconteceu com Sokolov, cientista sequestrado. Esse cientista desenvolvia uma arma da qual a URSS tinha interesse em usar e com isso foi feito o sequestro, porém The Boss trai os Estados Unidos no meio da missão e com isso um ataque feito por Volgin à própria União Soviética tem culpa caída sobre The Boss, ou seja, os Estados Unidos eram acusados injustamente e teríamos um excelente motivo pra começar uma Terceira Guerra Mundial.

Mais do que isso me aperta o coração mas não posso falar, tudo em MGS3 envolve plots twists geniais e tão bem feitos que fariam seu cu cair da bunda em dois segundos. Apesar da narrativa mais digamos... Comum, principalmente se comparado ao 2, MGS3 faz bonito e muito e conduz a história de maneira genial, porém num ritmo mais lento. porque o jogo que antes, era um ritmo mais constante de história, agora se "divide" em partes de gameplay e partes de história, é como se o jogo tivesse partes de se "jogar" e partes de se "ler/ver". Existe uma maior separação e por conta disso, o jogo é levemente maior que seu anterior.

Antes de mais nada, gostaria de dizer que se possível, jogue na ordem de lançamento mas se começar pelo 3, pegará o começo de tudo mas por sorte não tem spoilers. Bom, até tem algumas datas nos créditos mas não atrapalha muito, mas ainda assim o ideal seria que começasse pela ordem lançada pra ir se acostumando com a jogabilidade que só foi melhorando e também pra não tomar possíveis spoilers como é o caso de se jogar o 2 sem jogar o 1. Mas já que começando a falar de mecânicas, vamos lá!


O gameplay foi totalmente reconstruído, tudo do zero. Algumas coisas ficaram como pendurar por aí, rastejar, atirar em primeira pessoa, mas muitas novas foram colocadas de forma brilhante como o CQC - Close Quarter Combat, sistema que permite agora brincar (no mais perverso dos sentidos) com os inimigos agarrando eles, e logo após jogando no chão, usá-los como escudo humano, dando uma bela estrangulada, cortando sua garganta e demais coisas. É um sistema completamente reconstruído e envolve muito mais coisas como partes de ação mais frenética porém nada genéricas, maior refinamento na arte de esconder ou fugir e maior inteligência artificial dos inimigos.

Por sinal, essa IA ta muito boa, se ela já é boa assim no Normal, nem gosto de imaginar como é nas dificuldades posteriores. Ainda mais que eu sou uma negação nesse tipo de jogo. Então...

Uma coisa que aumentou junto com a imersão foi o tamanho dos cenários, eles são gigantescos e como eu joguei a versão HD, tive acesso à versão remasterizada do Subsistence, acontece que no original a câmera era fixa e eu pude perceber que o cenário era grande demais pra tudo que ele tem a oferecer, nessa segunda versão eles botaram a câmera livre em terceira pessoa favorecendo muito ao jogador, devido à complexidade do ambiente. Dá pra notar isso na batalha dos chefes por exemplo, que na câmera fixa acaba sendo difícil pra caralho por motivos errados, por não ter o devido acesso à área de tão grande que ela é. Com a câmera livre ficou tudo mais maravilhoso que o mundo da Alice. Então beleza.

Uma das lutas com o jovem Ocelot, bem bacana inclusive jogar abelhas nele

Falando nos chefes, eles são ainda melhores, as batalhas do 2 eram criativas mas no fundo eram parcialmente uso das ideias do 1 e não muito melhores apesar de muito das fodas, mas no 3 tudo muda. As batalhas são completamente diferentes e relativamente desafiadoras numa primeira jogada e extremamente bem boladas, divertidas e até se usa o cenário selvagem a seu favor e os chefes fazem o mesmo. Basta notar nas lutas como The End ou The Fury. São simplesmente geniais e extremamente divertidas. Instigantes. A palavra certa seria instigante mesmo. E melhor ainda é que se pode matar os chefes de mil formas diferentes, há MUITOS recursos e um deles é o fato de serem iguais a nós, ou seja, tem uma barra de life e a outra de stamina, usando o tranquilizante (MK22) você pode vencê-los e ganhar alguma recompensa com isso nos trajes.

Parte da graça do MGS3 é também a camuflagem de Snake, de acordo com o cenário ambiente ela te permite ficar mais ou menos camuflado e com isso aumenta ou diminui o tempo de procura dos inimigos quando te percebem. E essa parte envolve disfarces e a porra toda, é extremamente bem construído e de longe dos acréscimos mais divertidos do game.

Agora, a parte mais imersiva é de longe o quanto Snake se machuca. Por vários motivos. Exemplo, se você se envenena e tenta atirar, ele vai errar, se botar a câmera em primeira pessoa, ele vai ficar com a mira balançando mostrando que tem algo errado, os efeitos do jogo não são mero dano, muitos alteram a mecânica pra melhor ou pior. São esses os pontos mais importantes na imersão de MGS3 somado aos pontos opcionais onde podemos dar Zoom, olhar pra qual ponto bem entendermos em cutscenes e demais situações que temos uma liberdade maior pra interagir no meio da invasão.

É simplesmente muito foda viver o clima de velharia com Snake, lugares com cores opacas, usando rádio, armas antigas e uma galera nova te ajudando, dos quais se destacou pra mim Major Zero e não desgostei mas gostei menos da Para-Medic do que de Rose ou Mei-Ling das ajudantes de Codec dos jogos anteriores. Acontece que a Para-Medic só fala de filmes e como eu não sou o maior apreciador de cinemas do mundo, era só chato pra mim. Sou suspeito nesse ponto.

Camuflagem é a grande novidade do game. Simplesmente incrível!

Um personagem formidável é Eva, mas não posso falar muito dela pra não spoilar e é legal conhecer o jovem Ocelot, que por sinal apanha bastante no jogo mas ainda assim tem um destaque e um carisma gigantesco.

Outro detalhe importante da história de MGS3 é que ele é mais cabeça em muitos pontos, aborda guerra (claro), mas aborda também o sofrimento dessas pessoas de muito perto (só zerando pra entender), homossexualidade, política, tortura e por aí vai. Tudo que MGS tinha de adulto ficou potencializado no 3 e principalmente a parte da tortura e da homossexualidade.

Na boa, eu consigo imaginar uma pessoa conservadora tendo crises de pânico só de imaginar determinadas cenas do MGS3. Assistiria com um saco de pipocas gigantesco e uma boa coca-cola geladinha. Mas voltando ao foco.

Se o gráfico do jogo já é foda (em HD ficou bem feito pra porra), com excelente gameplay e um puta enredo com milhões de plot twists do começo ao fim (literalmente), então o que faltava pra tudo ser perfeito?

Imersão total. E pra isso devo reforçar a ideia das músicas! Jogue com fones de ouvido (tipo o meu do PS3 7.1) ou então com Home Theater muito do bom com caixas de som bem posicionadas e sozinho em casa, vai ajudar muito! Porque o trabalho sonoro do jogo ta genial.


Caralho, como elas ficaram ainda melhores. Harry Gregson-Williams compôs tudo dessa vez ao lado de Norihiko Hibino e tudo ficou ainda melhor. As músicas são absolutamente críveis e parecem pertencer ao mundo de MGS3 de uma maneira tão inacreditável que cada chefe tem uma música de batalha tão incrível que elas ficaram pra sempre na minha memória. Todas elas. Sem exceção. A música de alerta também mudou e ficou ironicamente com clima de selva e muito melhor que as anteriores também. Tudo em MGS3 é um gigantesco passo à uma nova revolução.

A mesma revolução que Metal Gear teve no MSX e que o MGS1 teve no PS1. Esse jogo simplesmente reconstruiu ainda mais tudo aquilo de bom que MGS2 já tinha. É absolutamente impecável.

Olha, muita gente considera esse jogo a melhor prequel de todos os tempos e confesso, eu concordo. É difícil discordar até. Se você me conhece do blog sabe que eu não pego leve com falhas e erros mas é como se MGS3 fosse imune aos erros, é um jogo construído com o mais profundo esmero e amor ao que se faz de maneira tão absolutamente incrível que é por motivos assim que muita gente chora com o final dele. Eu não chorei, mas passei perto. E eu sou um cara relativamente amargo demais pra isso.

Mas o final é brilhante, absurdamente brilhante. Não há palavra melhor que isso pro desfecho.

Imune à erros, ao tempo, ao envelhecimento, e à tudo que poderia algum dia estragar essa verdadeira obra de arte. MGS3 é absurdamente recomendado por esse chato do blog como forte candidato à melhor jogo de 2015 que joguei.

Lembrando que mal começamos o ano, ainda tenho que jogar o 4 e ver em qual lado vou ficar, porque assim como o 2, metade o ama e a outra o odeia. Qual será o meu lado escolhido?

"I'm not a hero. Never was, never will be."

E sim, vou falar de todos os Metal Gear Solid no blog. Lide com isso! E jogue, jogue muito, jogue outra vez e jogue de novo. Porque Metal Gear Solid nunca é demais. E acredite, Metal Gear Solid pra variar, nunca termina como a gente imagina que vai ser, o final do 3 é um esclarecimento de tudo que rolou antes dos eventos de Shadow Moses começarem, revela muito do que aconteceria futuramente e principalmente termina de forma tão nada óbvia que assusta e te causará uma culpa gigante do que fez no ato final do jogo.

10 comentários:

Leandro" Leon Belmont" Alves the devil summoner disse...

legal, mas prefiro mgs4

Juninho! disse...

Eu também.

DevTam disse...

Comentei, agora responde

Juninho! disse...

Pronto!

Anônimo disse...

Na minha opiniao, o problema de mgs4 foi que o enredo tinha que concluir muitas pontas soltas deixadas nos jogos anteriores,fazendo com que tenha 9 horas de cutscenes e so 5 horas de gameplay

Juninho! disse...

E ele conclui todas e engano se acha que são 9 horas de cutscene, são mais ou menos umas 7 e umas 10 de gameplay porque tem partes longas como as infiltrações gigantes do Act 2 por exemplo.

Charles Souza disse...

O 3 é bem melhor e inovador.
O peso que o personagem carrega influência, se estiver com fome a mira balança, assim como foi citado o envenenamento.
Tudo no cenário é utilizável.
Até os canos podem ser estourados para jogar água nos inimigos.
Vc pode destruir os recursos alimentícios e armamentista para enfraquecer os soldados, e até mesmo deixar comida envenenada para os trouxas comerem.

Charles Souza disse...

O peso influência no barulho e na velocidade do Snake.
A trilha sonora é sensacional.
O 4 não tem como competir, pq apesar de muito bom, não inovou.
A batalha que não esqueci do 4 foi a da cry Wolf, foi épica, mas no 3 todas são, nenhuma é esquecivel.

Charles Souza disse...

O peso influência no barulho e na velocidade do Snake.
A trilha sonora é sensacional.
O 4 não tem como competir, pq apesar de muito bom, não inovou.
A batalha que não esqueci do 4 foi a da cry Wolf, foi épica, mas no 3 todas são, nenhuma é esquecivel.

Juninho! disse...

Eu sinceramente prefiro o 4 de modo geral, mas inovar mesmo é só o 3, foi o que mais inovou disparado.

E o 3 também tem a melhor trilha e as melhores boss battles, isso de bem longe. Mas quando pego a carga emocional da narrativa, o MGS4 é um dos melhores jogos já criados sem sombra de dúvidas.